O Estudo da metabolómica para a sua aplicação no laboratório de fecundação in vitro

17 de Agosto de 2022
·
Jorge Redondo

Jorge Redondo, Embriologista na Ginemed Lisboa, é o autor de um artigo numa das mais importantes revistas científicas de Reprodução Assistida, em Espanha, a Associação para o Estudo da Biologia Reprodutiva (ASEBIR). O artigo é sobre "O estudo da metabolómica para a sua aplicação no campo da fertilidade e qualidade dos ovócitos" e surge da sua Tese de Mestrado.

Pretende ser inovador e atualizado, com uma revisão bibliográfica aprofundada dos mais recentes avanços em metabolómica nos últimos dez anos.

Pode consultar o artigo completo, da revista ASEBIR, mais abaixo.

Uma breve exposição do seu artigo, segundo o Embriologista Jorge Redondo:

“Onde está a rubrica Reprodução Assistida e como se poderiam melhorar os resultados reprodutivos? Qual poderia ser o papel da metabolómica na Embriologia Clínica?

A infertilidade é uma doença complexa com consequências médicas, psicológicas e económicas. Existe uma tendência mundial para a transferência única de embriões (SET), com o objetivo de reduzir as complicações e riscos associados a múltiplas gestações. Contudo, a eficiência da implantação por embrião transferido é ainda inferior ao desejável. Por conseguinte, aumentar a eficácia dos procedimentos e tratamentos em medicina reprodutiva é uma das principais chaves para a melhoria.
Apesar das diferentes técnicas mais ou menos invasivas com aplicação na prática clínica diária, os chamados estudos "ómicos" são considerados como o futuro da biologia molecular e reprodutiva e são atualmente um tema de investigação quente. Consiste no estudo e comparação de metabolomas, ou seja, a recolha de todos os metabolitos (moléculas de baixo peso molecular) presentes numa célula, tecido ou organismo no momento do estudo. Assim, a caracterização de milhares de metabolitos numa única amostra permite o estudo de processos biológicos completos e fornece uma impressão digital química, sendo de particular interesse para o estudo da qualidade seminal; a análise do líquido folicular para avaliar a qualidade dos ovócitos; o estudo dos meios de cultura na fase blastocisto tanto frescos como vitrificados para avaliar a viabilidade, a ploidia e a qualidade do embrião; para avaliar e prever o sucesso da implantação através do estudo das interações moleculares entre o endométrio e o embrião.

Estudos recentes mostram que o perfil metabólico difere entre os embriões que resultam em gravidez e os que não resultam. Portanto, identificar e desenvolver essas técnicas com uma abordagem menos invasiva para prever a implantação e a capacidade de desenvolvimento dos embriões teria numerosos benefícios tanto para o embrião como para o seu ambiente. Nesta linha, os testes não invasivos, em particular a metabolómica e a análise do ADN libertado pelo embrião para o meio de cultura, poderiam ser uma via não invasiva relevante para uma melhor seleção e implantação do embrião, com o objetivo final de conseguir um recém-nascido vivo em casa.

A Reprodução Assistida tem como objetivo aliviar o problema social da infertilidade e metabolómica é uma área promissora da qual se pode obter informação adicional extensiva sobre o comportamento embrionário. A investigação atual sobre análise metabólica está nas suas fases iniciais e, com base nas provas atuais, não se pode demonstrar uma eficácia significativa da metabolómica na melhoria dos resultados do ART, embora algumas técnicas recentes estejam a começar a mostrar resultados promissores na previsão de qual o embrião com maior probabilidade de ser implantado.

Além disso, o aumento da Bioinformática, o armazenamento massivo de dados conhecido como Big Data e abordagens de Biologia de Sistemas permite-nos traduzir os resultados em forma de novas terapias com o objetivo de melhorar os cuidados ao paciente e fornecer medicina personalizada.

Adicionalmente, a medicina reprodutiva beneficiaria de avaliações mais precisas, quantitativas, rápidas, eficazes e não invasivas para prever o sucesso do ART, reduzir as gravidezes múltiplas e melhorar ainda mais as taxas de gravidez e de nascimento vivo.”

 

Solicite a sua consulta

A primeira consulta é gratuita e sem compromisso

Não há comentários

COMENTÁRIO