A capacidade reprodutiva só dependia do sêmen na Grécia Antiga

31 de Maio de 2022
  • O vestido. Pascual e Fernando Sánchez, fundadores e médicos do Ginemed, colaboram na redação do livro “Antropologia da Medicina Reprodutiva”.
  • Ao rever a história da Medicina Reprodutiva na Grécia, Roma e Bizâncio, os autores destacam o papel de Hipócrates, o pai da Medicina atual, que já falava da má alimentação como fator de infertilidade

Os Drs. Pascual e Fernando Sánchez, fundadores do Ginemed, participaram da redação de " Antropologia da Medicina Reprodutiva ", livro que revê a história desta especialidade desde a Pré-história até os dias de hoje. O capítulo, "Incubatio, Humores e Priapus", centra-se no período entre os séculos V antes e depois de Cristo, 10 séculos em que Grécia, Roma e Bizâncio dominaram o mundo ocidental.

Após uma fase em que os padres atuavam como médicos e em que a magia e a religião eram o que mais se aproximava do que entendemos hoje como medicina, na Grécia Antiga surgiram as três primeiras teorias sobre a
reprodução humana, com abordagens como "O corpo do futuro bebê já existia no sêmen do homem."

Os autores do livro destacam Hipócrates, o pai da Medicina atual, que gerou uma corrente que perdurou até 10 séculos após sua morte. A dele é uma das teorias reprodutivas, que considerava que "o sêmen era formado pela soma de minúsculas partículas de todas as partes do corpo", dizem os Drs. Sanches no livro.

O prestigiado médico grego já aponta para a necessidade da união do sêmen com o que chamou de "esperma feminino", referindo-se ao óvulo da mulher, para que ocorra a fecundação. Ao contrário do pensamento hipocrático,
Aristóteles já falava do processo de gestação e da expulsão de óvulos não fertilizados durante a menstruação.

No capítulo também podemos encontrar informações sobre as causas que então foram consideradas como geradoras de infertilidade. Os médicos destacaram desde a imperfeição do hímen até as malformações e anomalias anatômicas, passando por maus hábitos alimentares. Houve certa unanimidade em atribuir ao sêmen o protagonismo da capacidade reprodutiva, não levando em conta a importância da mulher na fecundação.

Os Drs. Sánchez continua revendo a atividade de outros filósofos-médicos quando Alexandria se torna o centro do pensamento helênico, como é o caso de Herófilo, descobridor da próstata. Com a entrada do Império Romano, e sem grandes desenvolvimentos em termos de reprodução e fertilidade, encontramos tratados sobre as diferentes posições intrauterinas do feto ou sobre remédios para curar a infertilidade.

Após o desaparecimento do Império Romano do Ocidente, a medicina hipocrática sobreviverá no Império Bizantino. Os autores do livro concluem o capítulo lembrando que, apesar de todos esses avanços médicos, a maior parte da sociedade continuava acreditando em superstições e deuses da fertilidade, como Príapo, a quem foi atribuída a virtude de proteger o "poder fertilizante viril".

Os Drs. Pascual e Fernando Sánchez, após mais de 30 anos de experiência como ginecologistas e especialistas em reprodução assistida, participam regularmente de ações educativas e culturais para promover a saúde reprodutiva da mulher e divulgar informações claras e transparentes sobre fecundidade.

Solicite a sua consulta

A primeira consulta é gratuita e sem compromisso

Não há comentários

COMENTÁRIO